Sinto muito

Sinto que não houve o não dito

Sinto que não houve…

O que sinto, é que não ouvem…

Sinto muito

Sinto que não houve palavras, gargantas e ouvidos,

Tão necessários a esse peito

Apertado: cinto

Que sufoca essa fivela de engasgar ares e arrematar, sem paciência,

Pedaços meus, teus e outros,

Generalizados,

Amarrados, todos, de mesma sensação

Sufocados

Sinto esse nó afivelado, acinturando impotências no peito

Tum-tum

Onomatopéico, um peito, que não fala em metáfora:

Tum-tum é de oco, em três letras e pouco som

A mesma fala que me falta na garganta

Faringe? Laringe? Ou só o peito?

Ou que me ocupa é só a falta de ar?

Ou culpa?

Talvez não faltam verbos, falta eco

Ecoo:

Tum-tum

A dor se transforma, ao mundo, no oco de três letras explodindo um peito vazio

Nada cardíaco

Ecco

Uma dor implantando ventrículos

Veículo: uma dor-muda

Tum tum

Que poderia germinar um mundo

Sente?

É o sangue que me escorre e falta

Sente?

É o cinto na garganta, que já aperta o peito

Senta

Um peso, bem aqui

No ventrículo ventríloco que grita Tum Tum

De peito aberto, não liberdade, mas navalha

Sinto, sinto muito…

Mesmo que não valha

E esse peito acinturado, domado à correia, couro e fivela

Esse peito não é dado,

Não se classifica de sistemas médicos,

Esse peito oco que ecoa

Ecco

Tum Tum

Esse peito onomatopéico e surdo-mudo

Mudo ao mundo

Muda o mundo

Esse peito só sente que ressente

Ressentido do recente que, pouco a pouco,  apaga-se das memórias

Lembra o mundo??

Era Tum Tum

Ecco: agora é oco

É mudo

Esse peito é língua calada sem pátria de morar

Mas e o mundo?

Não de iluda

Já é mudo o mundo

Não se muda

Que mundo?

In mundo

Out Off All Ill Will Low Liu Lol

Essa língua que não diz nada

Escorre letras do sangue que não bate mais o peito

Minha língua muda por própria vontade

É muda na raiz:

DNA e nenhuma das alternativas

Minha língua em rebeldia só pode ser silêncio;

Que qualquer intento que se cuspa em sílaba não quer dizer mais nada

Porque já não diz

Por que já não diz que o mundo é mudo porque finito?

E mesmo vivos, todos já sabemos:

A língua letra muda, mas a história é a mesma

A língua letra muda e Tutum:

Estivemos sempre vivos, mas quase nada

O avesso já faz vezes de si mesmo, e se soletra como seu contrário

E se só letra, os significados são iguais

Tum Tum Mut Mut

Mute, off, in out

E peito, acinturando-me, os pedaços desiguais, tornando-os uma só sensação:

Sinto muito

Pelo que não se ouve  e

Pelo que nunca foi dito

Pelo apelo

Pelo a pelo

A mesma letra, mesma língua que era um peito

E hoje muda

Muta

Muito, sinto, que o desabafo tenha sido só a muda de uma garganta apertada

Veja mais

Criança-me

Criança-me

Queria fossem brinquedos, essas peças que articulo, desengonçado, com as mãos. Queria que me inspirassem alguma, formato racional; o melhor encaixe, eureka ou esses tipos de insight. Queria fossem...

ler mais
Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo… Giram Sóis, só solitários, giram em vertigem, Tal a Terra Tal em Guerra Tal em fuga ou fogo… Girassóis queimam como o tempo Com o tempo... Sobre os girassóis, pairava o...

ler mais
A algum ponto da partida

A algum ponto da partida

Voltar ao lugar de início. Não é esse o instrumento? O que te soa quando notas, já distante, de lá longe, o imenso percorrido? O que te escorre face quando usa os olhos em ré?  O que te sua: lágrima...

ler mais
As asas do mar

As asas do mar

Um ser que usava asas, parado frente ao todo mar. Extasiado ou reflexivo; imóvel em seu despertar às águas incalculáveis. Alguém que usava asas (isso estava claro), mas abstinha-se delas, recolhidas...

ler mais
Cheiro de Reich

Cheiro de Reich

O mundo cheira a Reich Mais que haxixe E chora chorume Enquanto vela, afogado, Restos de um bem que não há E nunca ouve, Sem sentido, Ressentido de vender-se Já vencido, aos mesmos erros Recidivos...

ler mais
Às vésperas do fim do mundo

Às vésperas do fim do mundo

Tinha-me como companhia… Num dia comum, desse meio de semana, desses dias que se quer evitar viver. Sim, já quis evitar viver. Quem não?… Quem não desistiu-se a alma, num dia desses, de uma quarta,...

ler mais