Acordei pensando em sonhos

Acordei pensando em sonhos…

Em como uso, inconsciente, o termo tempo nesses dias passageiros.

Que uso-me de seu término, culpando-o da fugacidade e ferozes pontos finais. Ferozes porque não se sentem. São escusos, reticências travestidas, disfarçadas borracha e fraco pigmento de tingir histórias, desenhando, as atitudes de uma natureza morta. Altitudes de papel.

E quem será, a preencher-me as linhas cronométricas; a contar-me a lenda? Estarei sendo bem interpretado, ou julgam-me pelo que sou em verdade: a figura incessantemente frustrada, pedindo trégua aos segundos em devaneio? Trégua para que se faça justiça aos anseios de uma alma como todas as outras.

E meu apelo , será o único? Ou apenas mais um, entoando o grande coro dos desesperados amortecidos, dos escravos errantes, movidos não apenas a diesel, derivados e índices de mercado; mas empurrados quase a pontapés pela vertigem dos relógios.

Acordei pensando em sonhos; em como durmo vida afora, impregnando as materialidades corriqueiras de significados-recalque; decalcando-me  a carne de temores e impulsos vividos, apreendidos no estômago.

Espontâneos instantâneos, capturados, não chegam a ter voz.

Muda! Que não vingará!

Ouço em sonhos, completamente desperto, a frase de uma canção.

” Veja só as crianças mudas paralíticas “.

Referem-se a estados vegetativos sob a custódia da medicina, ou a estados de alma? Sob custódia de quem?

Crianças mudas órfãs: são esses os impulsos apreensivos, amarrados bem na boca do estômago, impedidos de florescer ou tornar-se adultos. Amarrados a nó inconsciente, a nós, inconsistentes; a mim, e a todas as primeiras pessoas de que me privo por escolher definir-me um único.

Um único, com direito à única linearidade de tempo. Átomo de existência , um núcleo mal resolvido.

Vivo as outras primeiras pessoas, aquelas que me caberiam, cada qual vestindo um número, e infinidade deles. Vivo as outras primeiridades em suaves, sonhos ou pesadelos. Suaves pela pluma liberdade de tanger insólitas consciências. Pensando em sonhos …

Acordei desacordado. Uma quebra de sigilo, uma calma de só gelo, um vulto intrínseco aos pontos de vista; que nunca são pontos finais.

Reticências disfarçadas que não fazem sentir os fins, deixam em aberto conclusões e decisões de tempo. Tudo de um em um, caminhando quase lento, não fosse o ritmo brutal das constatações. Essas, feitas em espantosos piscares. Tudo de um em um, como que para ficar bem resolvido e saltar estômagos e impulsos amargurados.

Uma a uma, as constatações dos sonhos que se quer aprisionar para depois poder julgar e culpar os segundos perdidos.

O tempo, em seu papel de terceiro, desvinculado da existência que, de fato, me pertence; e que, de um fato ainda mais evidente, divido com a mania de quantificar.

Acordei sonhando sonhos, de tempos que não importa classificar, que é sempre inconsciente, sempre inconsistente, sempre de manipular. Sonhos de não necessitar ponteiro nem direção, de calcar em almas um caminho próprio, um destino único e tão flexível quanto atemporal.

E a única virtude fundamentada em certeza é a tal individualidade que nos permite, das escolhas , todas; a tal contagem regressiva que nos insiste das escolhas, a melhor.

Todo esse tempo, que posso tornar ínfimo, desimportante . Todo esse tempo julguei mal o significado da fugacidade. Todo esse tempo é, talvez, de colher sonhos… Ou planta-los.

As mudas paralíticas vingaram… Vingaram-me, tomando lugar, em reticencias, dos fechamentos de ponto final.

Então escrevo, pensando-sonhando, sonhos em tempo, de tempo, em tempo,  não ressentida dos contadores regressivos; mas talvez, um dia, grata, por haver morrido em mim os términos, antes que o tempo me matasse.

Talvez não haja tempo para queles que escolhem acordar pensando em sonhos, ou sonha-los `a velocidade do tempo real .

Veja mais

A vida segundo

A vida segundo

A vida segundo… A vida segundo os teóricos é plana, Um plano: explicável, concebível, formatável, executável É limitada, assim como os teóricos Plena? Só uma hipótese Mas a vida não é segundo A vida...

ler mais
Vejo rostos

Vejo rostos

Vejo rostos, de todos, iguais Ou será o olho, que uso um só? À visão única, achatada Então, os iguais, os vejo divisão Ou são os tantos desiguais que se fazem máscara comum? Vejo-os iguais: pupilas,...

ler mais
Caça ao tesouro

Caça ao tesouro

Revisando gavetas à procura de moedas. Tal fosse brincadeira de criança: caça ao tesouro. Reboliços por centavos. Das quatro gavetas da estante da sala, aquela seria a última tentativa, e mesmo...

ler mais
A chave da fenda

A chave da fenda

Uma chave: é o que me sustenta a mão. Mais que dedos, ossos ou músculo; mais que força motora ou impressões digitais. Uma chave se faz todo espaço da minha palma; toda minha intenção. E só ela pesa,...

ler mais
Adeus

Adeus

Seria fácil despedir em manhã de Sol, muito fácil. Arrumaria malas, que são duas, são poucas; usam pouco teus espaços: travaria fechos, recolheria a foto do porta-retrato, mais minha que tua, que...

ler mais
Mangas bufantes

Mangas bufantes

Acordou precisando de remédios. Precisamente duas e quarenta madrugada. Duas ou quarenta madrugadas, indiferentes; que a dor era a mesma. Pregos na cabeça, mais de dois ponto quatro; dez pregos...

ler mais