Ultraviolenta

A calçada das flores. Mesma esquina enfeitada de boteco e restos de papel. Bala, guardanapos, folheto de propaganda. Buraco qualquer da cidade sujo-central, onde personagens, interpretando gente, passeavam seu cotidiano comum. Uma voltinha de coleira. Colérica, mas totalmente resguardada, amainada em goles de café ou cachaça. O tal do botequim.

A calçada das flores envasadas, dispostas sobre o concreto; criadas naturais, expostas artificialmente. Cores de vida enfeitando uma cidade quase morta, torta, desoxigenada…

Não ficavam particularmente belas, apenas grotescas, descontextualizadas. Descontentes; por assim dizer, desonestas. Flores não escolhem vida urbana. Urbanescamente mortas; qualquer colorido de placa, farol ou grafite faria suas vezes de pincelar paisagem. Urbanescamente tristes; qualquer um que as notasse não saberia seu valor; nem suas seivas e águas.

Julgariam-nas poluição visual; ou mesmo, pedintes, em seus preços explícitos colados na parte da frente dos arranjos.

Flores têm preço, pelo menos na cidade; como fabricadas, como produtos pertencentes. Mas flores compradas são semi-mortas. Jamais deveriam presentear com flores naturais; mau prenúncio. Semi-morte…

‍Naquela manhã as flores à venda surpreenderam; ou talvez tivesse sido idéia da esquina, ou mesmo o bar de risos satíricos. Parada na esquina, os braços cruzados e olhar vigiado a óculos escuros; parada estática, ressoando tal a semi-morte das flores e, lado a lado com elas, uma mulher humilhada .

Não se notaria, em suas roupas ou postura, sinal de ultraje. Fora o olho esquerdo acobertado, inutilmente, de lente escura. O olho esquerdo, quase saltando sobre a armação desconcertada; envergonhada  por não mais servir de disfarce. O olho esquerdo gritando dor, esbofeteado, arroxeado. Provavelmente na tentativa de trazer sempre presente a lembrança de um toque rude. O olho esquerdo trazendo marcas que em uma semana tornariam-se apenas invisíveis; e esse era o maior problema. Enquanto o olho estivesse gritando, colorido, compondo o quadro das flores; enquanto gritasse, latejante, a mágoa estaria sendo expressa.

Uma mulher impressa a pontapés. Mantida ali, de saltos altos, para defender uma tentativa de dignidade. Metida ali, entre flores…

Primeiro impacto de quem a visse, seria o choque; o maldito contraste. Apesar de colorido, o olho esquerdo não combinava com orquídeas e rosas, nem mesmo as margaridas. Mas ninguém, de fato, a via; era como se estivesse semi-morta. Misturada aos arranjos artificiais de flores crescidas de terra, água e semente. Ninguém de fato a notava. Talvez ela compusesse perfeitamente, envolta em rosas, de uma aura quase morta. Um olho cego-hematoma; o outro cego,  não de lente escura, escolha própria.

Por que diabos colocou-se ante natureza morta? Quis contraste ou complascência? Quis companhia, sentir-se em iguais? Seus iguais: os caules decepados. Mulher sem seiva, ceifada. Colhida. De fato, sentia-se mais pobre que as rosas. Ninguém a compraria, naquela sua aflição esquerda de olho triste acobertado. Descoberto, e ainda assim, ignorado. Um olho só; e outro para chorar por ela. Ninguém a notava.

Quem sabe, se estampasse um preço, bem no ventre,  bem visível, mais que olho… Quem sabe pagariam por ela …

Dias se passariam; girassóis e margaridas murchariam ou seriam trocados por moedas. Sóis girariam e ela manteria seus óculos escuros. Os olhos trocariam de lugar: ora o direito, ora o esquerdo, coloridos, de violentas violetas. Vasos e violetas. Hematomas.

O bar e a esquina, cumprindo seus papéis: balas, guardanapos, folhetos de propaganda. A história, sempre a mesma, no cruzamento de dois faróis, folhagens de asfalto e vidas entrecortadas.

Ninguém daria conta dela, nem mesmo os ramos estáticos a seu lado, quase tocando-lhe o braço. Ela não se importava com a tal proximidade, flores não espancam mulheres. De tal razão contentava-se em passar seus dias lado a lado com elas, mesmo que lhes faltasse diálogo; mesmo as pétalas não emitindo opinião . Bem-me-quer, mal-me-quer, bem-me-quer, mal me quer…

Ali: a mulher e suas flores inventadas.

Veja mais

Criança-me

Criança-me

Queria fossem brinquedos, essas peças que articulo, desengonçado, com as mãos. Queria que me inspirassem alguma, formato racional; o melhor encaixe, eureka ou esses tipos de insight. Queria fossem...

ler mais
Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo… Giram Sóis, só solitários, giram em vertigem, Tal a Terra Tal em Guerra Tal em fuga ou fogo… Girassóis queimam como o tempo Com o tempo... Sobre os girassóis, pairava o...

ler mais
A algum ponto da partida

A algum ponto da partida

Voltar ao lugar de início. Não é esse o instrumento? O que te soa quando notas, já distante, de lá longe, o imenso percorrido? O que te escorre face quando usa os olhos em ré?  O que te sua: lágrima...

ler mais
As asas do mar

As asas do mar

Um ser que usava asas, parado frente ao todo mar. Extasiado ou reflexivo; imóvel em seu despertar às águas incalculáveis. Alguém que usava asas (isso estava claro), mas abstinha-se delas, recolhidas...

ler mais
Cheiro de Reich

Cheiro de Reich

O mundo cheira a Reich Mais que haxixe E chora chorume Enquanto vela, afogado, Restos de um bem que não há E nunca ouve, Sem sentido, Ressentido de vender-se Já vencido, aos mesmos erros Recidivos...

ler mais
Às vésperas do fim do mundo

Às vésperas do fim do mundo

Tinha-me como companhia… Num dia comum, desse meio de semana, desses dias que se quer evitar viver. Sim, já quis evitar viver. Quem não?… Quem não desistiu-se a alma, num dia desses, de uma quarta,...

ler mais