Em asas

Demônios, geralmente, possuem asas

que não voam, que destoam

Mas acalentam, de um modo outro…

que não vemos e, quase sempre, nem sabemos

Demônios voam asas que não entendemos,

ou desistimos de entender, por medo…

Simples medo de voar

Demônios nos doam asas,

Mas apenas se as permitimos

porque dependem do que não queremos ver…

Nos voam de suas asas emprestadas, se permitimos

Desmanchando-nos ocultos, trazendo-nos à tona,

em tons de luzes irreversíveis

Demônios são em luz, e brilham… que cega

Impossível admirar

E a luz, irresistível, chega à dor

Por isso os espreitamos, em pavor

Fechamos olhos aos demônios…

E então, já somos cegos,

condenados à escuridão por medo de enxergá-los, nossos que são:

de ossos e todas as carnes que nos possuem

Demônios ousam o invisível, o indizível;

o que se quer ocultar.

Mas demônios não mentem;

e entristecem, quando lhes negamos retinas e desistimo-lhes a alma

Encará-los não nos vende, apenas nos rende

a ponto de cedermos ao espelho que, às duras penas,

negando asas, fugidios, tentamos estilhaçar

Encará-los não nos venda, nem nos veda a pureza

Em contrários, nos liberta…

Que só se pode ser puro, desencantando ilusões

E demônios desencantam… nos decantam e, então, somos livres

Servem a isso, sim: ao compromisso com a verdade.

Que, no fim, desde o começo, o que chamamos demônios

e pedimos que nos fujam, implorando perdão…

Ao fim, desde o sempre começo, o que usamos demônios são apenas asas…

São em penas, Anjos

Se os enxergarmos e os libertarmos, eles voam

E então, entendendo-os pelo que verdadeiramente são,

E de suas asas emprestadas

Não temeremos mais a verdade,

E, voaremos, como eles: sãos

Veja mais

Adeus

Adeus

Seria fácil despedir em manhã de Sol, muito fácil. Arrumaria malas, que são duas, são poucas; usam pouco teus espaços: travaria fechos, recolheria a foto do porta-retrato, mais minha que tua, que...

ler mais
Mangas bufantes

Mangas bufantes

Acordou precisando de remédios. Precisamente duas e quarenta madrugada. Duas ou quarenta madrugadas, indiferentes; que a dor era a mesma. Pregos na cabeça, mais de dois ponto quatro; dez pregos...

ler mais
Bate e estaca

Bate e estaca

Sujeito reto, sem jeito. Torto no caminhar. Passos largos. Pressa. O que mesmo? Ah, sim! O trabalho... Passos mais curtos. Desacelerou. Antônio João Ninguém. Ninguém de sobrenome. Pouco culto. Nem...

ler mais
Remissão (quando a música parou)

Remissão (quando a música parou)

A música parou, inesperada, como todo fim. A música acabou. E um silêncio inexplicável tomou conta dos cantos de som; cada fresta assaltada pelo impacto daquele adeus. Adeus à melodia transitória,...

ler mais
Open the door e outras rotações

Open the door e outras rotações

*o texto foi escrito assim, às voltas com Roger Hogson, escutando uma tarde dessas de rotações, o álbum Open the Door, e outras rotações de Supertramp... Então, o texto é também um convite a que...

ler mais
Big Bang Bang

Big Bang Bang

O menino, pequeno, indefeso, ingênuo e de uma inabilidade que insinuava tragédia, fosse tombo ou dedo queimado… Dessas tragédias pequenas, de pequenos, de pouco dano e só susto. A esse menino,...

ler mais