A vida segundo

A vida segundo…

A vida segundo os teóricos é plana,

Um plano: explicável, concebível, formatável, executável

É limitada, assim como os teóricos

Plena?

Só uma hipótese

Mas a vida não é segundo

A vida é primeiro

Não pode ser segundo terceiros ou quartos,

Tão claustros

A vida não pode seguí-los

Não pede seguros

Nem clama receios

A vida perde e ganha, chama e cinza

A vida reclama

A vida é…

E isso não se soluciona

A vida era

E isso não se equaciona

A vida será…

Será?

A vida é segundo segundos

E isso basta para sê-la

Isso resta

Só isso resta: a vida segundo a segundo…

A vida-segundo

A vida segundo os teóricos é tola

Obedece a matemáticas do vir a ser

Tão filosófica e conceituável

Algorítmica

Decifrável, fracionável

Desmontável em estrategemas

Servil às vaidades dos teoremas de vender

Palpite, ideia

Genialidades de púlpito

Mas, e um coração teórico: palpita?

A vida segundo os teóricos

Quase nem é vida

Transplanta, operaciona, raciocina

Mas não pulsa

Sabe…

Palpita, mas nunca pulsará

E é triste vê-la assim, esforçando-se

Corroendo-se, doendo-se

Entregando-se

Querendo ocupar o púlpito que jamais lhe caberá

Ela não palpita: só palpita

A vida, em teoria, não é vida

É morte

A vida-teoria não existe

E tão, frágil, não resiste,

Sequer um segundo

Sabe…

Calculando aqui:

Quanto custa um pulso?

Algum palpite?

Uma hipótese?

Qual a metodologia?

Sabe quando bate um pulso,

Ou quando um peito respira?

Isso basta à teoria

Para fazê-la pobre

Insignificante

Para trazer o homem ao seu lugar de direito

Palpitar: nada mais

E um último segundo:

Creio cegamente em Deus,

Parcialmente na ciência

E resolutamente na capacidade humana de contrapô-los,

transfigurando-os em significado e os reinventado contrários a sua própria essência:

Friccionando Deus, Ciência e homem

Assim, ficcionando uma batalha que não há

E por isso, talvez, nos sintamos (e sejamos) tão derrotados

Seja como supostos criadores, seja como pretensas criaturas

Veja mais

Criança-me

Criança-me

Queria fossem brinquedos, essas peças que articulo, desengonçado, com as mãos. Queria que me inspirassem alguma, formato racional; o melhor encaixe, eureka ou esses tipos de insight. Queria fossem...

ler mais
Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo…

Sobre os girassóis e o tempo… Giram Sóis, só solitários, giram em vertigem, Tal a Terra Tal em Guerra Tal em fuga ou fogo… Girassóis queimam como o tempo Com o tempo... Sobre os girassóis, pairava o...

ler mais
A algum ponto da partida

A algum ponto da partida

Voltar ao lugar de início. Não é esse o instrumento? O que te soa quando notas, já distante, de lá longe, o imenso percorrido? O que te escorre face quando usa os olhos em ré?  O que te sua: lágrima...

ler mais
As asas do mar

As asas do mar

Um ser que usava asas, parado frente ao todo mar. Extasiado ou reflexivo; imóvel em seu despertar às águas incalculáveis. Alguém que usava asas (isso estava claro), mas abstinha-se delas, recolhidas...

ler mais
Cheiro de Reich

Cheiro de Reich

O mundo cheira a Reich Mais que haxixe E chora chorume Enquanto vela, afogado, Restos de um bem que não há E nunca ouve, Sem sentido, Ressentido de vender-se Já vencido, aos mesmos erros Recidivos...

ler mais
Letra à bala

Letra à bala

Perguntaram ao escritor, inventor de frases, o que lhe surtia idéias. Como as sortia, caixa-surpresa, versando sobre o que não se viu, ouviu dizer ou nem mesmo se tentou em entendimentos? De que...

ler mais